quarta-feira, 16 de setembro de 2009

dO silêncio de maria [...]

a presença de Deus desperta, sobretudo, a sensibilidade fraterna. E lá vai a jovem, rapidamente, para a casa de Isabel para facilitá-la, para ajudá-la nos últimos meses de gestação e nos trabalhos do parto, e permanece lá por três meses. Deus é assim. Nunca deixa em paz. Sempre desinstala. Sempre tira a pessoa de seus próprios círculos para lançá-la aos necessitados deste mundo, para servir com bondade.


o amor é assim. e quem o tem sabe. que quando se deve amar simplesmente se ama[serve]. sem maiores questionamentos.

Um comentário:

yarla alvares disse...

li isso na hora certa!
sabe quando através de palavras em quauqre que seja o lugar Deus te da uma confirmação?! pois pronto!

e que seja assim que Ele me retire de tudo que eu mais amo e estimo pra me lançar ao meio daqueles que precisam muito mais dEle.


eu ainda quero ler esse livro!
;*